“Torna-te artesão da paz através da tua própria vida” Centro Magis Inaciano da Juventude (CIJ) realiza Reconciliar Jovem


            No dia 8 de abril, nos jardins do CIJ, aconteceu o Reconciliar Jovem: “um encontro de revisão da vida de cada um com Deus, consigo mesmo, com os irmãos e irmãs e com toda a criação”, segundo Agnaldo Duarte, jesuíta, diretor do Centro Magis Inaciano da Juventude.
            Os (as) jovens foram convidados (as) a refletir as suas vidas, sobretudo, ao comprometimento dedicado à realização do sonho de Deus na vida de cada um (a) e a no que os (as) impedem de serem construtores (as)  do sonho de amor, paz e justiça.
            Ao longo do Reconciliar foi refletida a necessidade da reconciliação fraterna. Afinal, diante de tantas opressões e desigualdades, a  reconciliação é uma exigência, um caminho para o amor e a convivência entre irmãos e irmãs e de cuidado com a criação.

            Ao final do encontro aconteceu uma partilha da experiência, que fortaleceu o chamado a todos serem luz e a se comportarem como tal. O Reconciliar Jovem reforçou, ainda,  a certeza de que ninguém, nem nada, separa os filhos e filhas do amor de Deus; amor que implica para todos uma consciência mais viva da dignidade humana.
























Cine Debate reflete sobre os biomas e a justiça socioambiental


“Não Sabemos Ler o Mundo.
Falamos em ler e pensamos apenas nos livros, nos textos escritos.
O senso comum diz que lemos apenas palavras.
Mas a ideia de leitura aplica-se a um vasto universo.
Nós lemos emoções nos rostos, lemos os sinais climáticos nas nuvens,
lemos o chão, lemos o Mundo, lemos a Vida.
Tudo pode ser página. Depende apenas da intenção de descoberta do nosso olhar.
Queixamo-nos de que as pessoas não lêem livros. Mas o deficit de leitura é muito mais geral.
Não sabemos ler o mundo, não lemos os outros.
Mia Couto


No dia 25 de março o Grupo Universitários do Centro Magis Inaciano da Juventude (CIJ) realizou um Cine Debate onde foi refletido o tema da Campanha da Fraternidade desse ano: “Fraternidade e defesa da vida”.
No início do encontro cada participante foi convidado (a) a desenvolver a capacidade de ler o mundo e enxergar para além das aparências, para além do que os meios de comunicação apresentam.
O fragmento acima, de Mia Couto, motivou o momento inicial do encontro, que contou ainda com a apresentação do vídeo oficial da Campanha da Fraternidade de 2017 e com a presença de Alessandro Nunes, engenheiro agrônomo, coordenador regional da Cáritas Brasileira.
Alessandro apresentou as especificidades da caatinga, as dificuldades com as quais esse bioma tem lidado e as consequências da falta de cuidado com ele. O facilitador ressaltou, ainda, as iniciativas que têm regado a esperança e animado as pessoas a “cultivar e guardar a criação”,  cujo  engajamento e o comprometimento são imprescindíveis para a defesa da vida e  a promoção da justiça socioambiental.

O Grupo de Universitários Inacianos realiza encontros mensais no CIJ e em outros locais onde a discussão sobre fé e ciência se faz necessária.












Carnaval do Centro Magis Inaciano da Juventude (CIJ): Abertura das atividades de 2017


Não se deixe dominar pela tristeza, nem se aflija com preocupações.
Alegria do coração é vida para o homem e para a mulher; e a satisfação lhe prolonga a vida”

(Eclo 30, 21 – 22).

             No dia 18 de fevereiro o CIJ realizou um animado carnaval, com direito a muita música, dança e concurso de fantasias. Ao ritmo de marchinhas, samba, axé, pagode e lambada os foliões e foliãs foram chegando e trouxeram muita alegria para a festa.
            O grupo Percussivo Acadêmicos da Casa Caiada animou a noite e garantiu que o Côco, o Maracatu, o Forró e o Baião também integrassem os sons da festa, que misturou ritmos carnavalescos com a diversidade da cultura nordestina.
            Os (as) participantes capricharam na fantasia e os (as) jurados (as) escolheram a fantasia de  Falcão – um cantor e humorista cearense, protagonizada pelo jovem Wellington Franco, para ganhar uma viagem com direito a acompanhante para praia de Jericoacoara.
            Na contramão da ideia de Carnaval como lugar da manifestação da morte, o CIJ ressaltou o Carnaval enquanto celebração da vida, existente porque é da vontade humana ser feliz. Por isso, o lema do Carnaval do CIJ reiterou a luta contra o extermínio da Juventude e aumentou o coro do “Basta de Violência e Extermínio de Jovens!”.
            Passada a festa de carnaval, fica o desejo de que não nos deixemos dominar pela tristeza e que o ânimo e o entusiasmo tenham sido renovados, para seguirmos fraternalmente na luta contra as injustiças e opressões, afinal, como dizia Dom Hélder Câmara: “Carnaval é alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrais que ainda sobram para a minha gente querida. [...]Brinque meu povo querido, minha gente queridíssima. É verdade que quarta-feira a luta recomeça, mas, aos menos, se pôs um pouco de sonho na realidade dura da vida!".


 





Fotos: Regis Torquato